Tuesday, 29 April 2014

contas

Cá em casa faz-se contas, pode-se mesmo dizer... a fazer contas desde 2008 :)
O primeiro ano que moramos juntos foi eu pago, agora pagas tu, ora dividimos, ou ora nao e chegamos à conclusão de tinhamos de ter um método de controlar o que cada um gastava e controlar as despesas que tinhamos. O MP encontrou na net o excel ideal, apenas adaptamos às nossas necessidades, ou seja, alteramos alguns campos, tipo despesas com o infantário da criança passou a ter despesas de veterinário ou hotel das gatas.
Em Portugal o resultado era quase sempre o mesmo, contas pagas, casa e carros pago, uma saida ao fim-de-semana, ferias (se) com desconto especial e pronto, poupança 0.
Aqui fazemos contas a 25 (quando entra) e  a 1 (quando saem as depesas mensais) de cada mês, fazemos contas antes e depois das férias, e quando não temos nada para fazer :) só assim é pode ser na minha opiniao, não acho que fazer contas seja coisa de pobre, é algo responsável e ajuda na nossa relação, nada como sermos uma equipa em todos os campos.

Por estas bandas há quem se interesse muito pelo assunto...



E há quem vire as costas ao assunto, só se interessa em bater à porta às 7 da manha e a papinha sai do armário...



Saturday, 26 April 2014

our wedding

Para quem leu lá atras, estamos a organizar o nosso casamento na Tailandia, e apesar de nao ser muito destas tecnologias dos blogues, criei aqui do lado esquerdo um separador chamado "getting married abroad" onde irei postar esta nossa experiência.

Faltam 218 dias.

Friday, 25 April 2014

medos

Antes de escrever este post pesquisei no google “medo de emigrar” e ficam aqui alguns exemplos do que se fala na net:







Sem duvida que: emigrar nao é apanhar um aviao e vir por ai e ver no que da… e agora lendo todos estes comentarios acho que as vezes temos medos desncessarios.
Somos todos diferentes e a vontade, coragem de sair do pais tem de vir de dentro de cada um.
Como ja disse antes, coisas sao coisas, mandasse vir em caixas, de camiao ou um bocado de cada vez quando se for a Portugal, eu tinha medo pelas minhas gatas, pesquisei e investimos muito para virem tambem.
Como casal nunca tive medo de estarmos longe por algum tempo, o objectivo sempre foi o mesmo, por isso era so uma questao de tempo ate estarmos juntos outra vez.
Medo de se ficar pior do que se estava em Portugal, em acredito que é preciso preparar a saida com cabeca, fazer o trabalho de casa, nao vejo pessoal da minha geracao a ficar pior, muito pelo contrario. Ter de alguma forma um plano B tambem podera ajudar (dinheiro para voltar se for preciso e casa onde sabemos que podemos ficar em qualquer altura – propria ou familia). Esta semana passou aqui na tv um programa que se chama “how to get a council house” em que uma das pessoas do documentario era portugues, o Nelson, a dormir na rua… nao sei que pense sobre isto… acima de tudo é preciso nao ter vergonha de voltar um dia seja porque razao for. Ao menos tentou-se, viveu-se.

Eu gosto de Portugal, e a minha terra, e se volto ao nao um dia, nao sei,  nao adivinho o futuro, nao sei o que vou sentir amanha, hoje estamos ca, e dia 25 de Abril para mim nao é feriado, é pay day, num pais onde as vezes me sinto discriminada mas que me permite ter as mesmas coisas que tinha e fazer outras tantas.

Dizem que mais vale ser pobre e feliz que rico e infeliz… acredito que ha um meio termo para tudo… o tempo das vacas gordas ja passou mas o da escravidao tambem!

Sinto medo sim, de a minha familia um dia “precisar” de mim e eu nao estar na casa/rua ao lado… ou vice-versa.

Por curiosidade tambem, pesquisei as capas de jornal de hoje…


… so digo uma coisa… valha-nos o Jesus :)



Thursday, 24 April 2014

diferenças

Encontramos sim muitas diferencas, daquelas que nao vemos quando vamos a um sitio de ferias… acho que nos habituamos relativamente facil a maior parte delas, outras ainda estamos a descobrir, outras tentamos ignorar ou nao pensar muito, outras ainda nao decidimos se é mesmo nisto que queremos estar (*)…
 
Diferencas Faceis de Habituar em Geral:
  • Sair as 17h00 do trabalho
  • Beber cha a qualquer hora e sem motivo, quer faca chuva, quer faca sol
  • Jantar as 18h30 (ontem jantamos as 20h30 e ja era tarde!)
  • Andar com o guarda-chuva na bolsa 265 dias do ano nao va ser preciso
  • English breakfast (feijao e ovinho logo de manha J)
 Diferencas que se conseguem ignorar em Geral:
  • Nao ha persianas neste pais
  • Nao ha bide no wc
  • Alcatifa
  • Chuva
 Diferencas Dificeis de Engolir em Geral:
  • Cheiro a comida Indiana logo de manha, no corredor, no autocarro,…
  • Religiao – (not very happy about it - acho que vou deixar este tema para o MP)*
  • Emigracao/EU – (not very happy about it - se o MP se quiser pronunciar)*
  • Regras de arrendamento em que os senhorios sao os maiores beneficiarios (the same again)*
  • Beber cha com leite (what??)
  • Nao perceber nada do que o taxista ou a menina da Tesco dizem
  • Nao ter batatas fritas de pacote de jeito (simples, originais, sem sabores) no supermercado
 
Diferencas Faceis de Habituar no Trabalho:
  • Sair do trabalho cedo
  • Receber ao dia 25, sempre certinho, sem duvidas ou receios
  • Ter colegas de todas as parte do mundo
  • Estar em empresas mundiais e estaveis
  • Bonus anual
  • Se nao estas feliz procuras outro trabalho
  • Se es simplesmente simpatico com alguem (como euJ) recebes presentes e dizem que es uma star **
Diferencas Menos Facil de Habituar no Trabalho:
  • Nao poder falar dos nossos feriado religiosos mas ter de levar com o fasting dos outros…
  • Tens de te vestir smart, mas as meninas com os veus andam com uma peca de cada cor, parece o circo, mas nao podes dizer nada…
  • Tens de ter cuidado com dizes, por exemplo “ nao gosto de espanhois”, nao va a pessoa do lado ser de la, ou casada com um.
 


Wednesday, 23 April 2014

dificuldades

Sinceramente, e nao querendo parecer arrogante, nao acho que tenhamos encontrado muitas dificuldades, ou pelo menos de modo geral, acho que tudo correu e corre bem. Acho que antes de dificuldades, o que tivemos mais foram mesmo dúvidas/medos. Moramos e trabalhamos num sitio bastante conveniente e sem muito stress. Saimos do trabalho cedo, temos budget para as despesas normais, para viajar e para poupar, nao somos ricos, fazemos sim muitas contas e pensamos muito antes de avancar seja no que for. Temos o nosso 1 bed flat paradise e nao, nao temos carro, coisa que em Portugal parecia nao ser “socialmente aceite”.

Ao que me parece (e ando muito distanciada das redes sociais tugas) quando as pessoas encontram muitas dificuldades é porque nao se prepararam o suficiente, claro que todos podemos ter os nossos azares, ninguem esta livre, mas se soubermos o que queremos fazer, tivermos formacao e experiencia, viermos minimamente preparados com €, soubermos onde procurar e nao tivermos a espera que as coisas nos caiam no colo, as coisas correm bem. Quero acreditar que pertencemos a uma geracao que sai de Portugal com cabeca, com sonhos e vontade de ser e fazer mais. As vezes é preciso dar um passo atras para depois se dar dois em frente.

Dificuldades faceis de ultrapassar:
- conta banco: basta mostrar identificação e comprovativo de morada (eu abri com morada de Portugal por exemplo no HSBC)
- national insurance number: ligar para o servico a marcar visita, ir la no dia e hora marcada e pronto
- arrendar quarto/flat: pesquisar sitios, marcar visita, tartar com a agencia (pagar deposito e assinar contrato) - coisas como dar dinheiro e esquemas estranhos, é preciso ter bom senso seja em que país for.


Dicas:
- vir e ter sitio onde ficar de antemao - se nao tiverem familia ou amigos, tera de ser num hostel por exemplo, nao aconselho ninguem a alugar/pagar nada sem ver e estar ca.
- arrendar um quarto numa casa partilhada sera a partida mais facil e rapido que arrendar logo um flat (sendo que algumas agencias/senhorios pedem referencias);
- ha quem marque visitas a casas ainda de Portugal - tambem me parece uma boa ideia;
- arranjar numero de telemovel local;
- vir com o CV pronto - actualizar cá com morada e telemovel locais;
- vir ja a saber onde se vai procurar trabalho;
- nos optamos por vir um de cada vez, mas conheço casais que vieram juntos e estão bem, acho que é uma decisão pessoal.

Existem outro tipo de dificuldades com que ainda me debato, sera que nao estava era bem na minha casinha, onde fazia o que queria, tinhas as minhas coisas, os albuns de infancia, a decoracao das viagens, tinha a praia ao pe e a comida da mae??

Continuamos a ter esse tipo de pensamentos sim, mas depois dizemos, ah mas la nao ganhavamos tanto, nao conseguiamos fazer tudo e ainda juntar dinheiro, e chegamos a conclusao que o que importa e estarmos juntos, coisas sao coisas…


 

a nossa mudanca

Recebemos ontem um comentario de um casal, como nos, a pedir novidades J (obrigada mais uma vez por nos seguirem), nos fizemos exactamente o mesmo antes de virmos, lemos blogues e tentamos perceber o maximo sobre tudo para tomar a decisao de vir ou nao.

Da mensagem deles retirei as seguintes palavras chave: vivencia; dificuldades; como funcionam as coisas; diferencas; medos.
Espero de alguma forma abordar todos os pontos nos proximos posts (vou dividir em varios).

Revemos alguns posts anteriores e apercebemo-nos que faltou em parte explicar o momento em que decidimos vir mesmo.
Em 2011, depois de ambos termos feito algumas entrevistas em Londres (viajamos de proposito para as mesmas) a duvida de sair da nossa area de conforto era mais forte (recusamos uma oferta de emprego do MP em Novembro de 2011 porque a mudanca implicava investir dinheiro que tinhamos mas que nao que queriamos de alguma forma “perder”.) Ambos tinhamos trabalho, casa, carros, mas as ferias e as saidas ao fim-de-semana ja comecavam a escacar pois a empresa do MP andava a pagar com uns dias de atraso desde Setembro. Em Dezembro numa reuniao com o MP avisaram que iriam despedir pessoal, mas ele nunca seria considerado, para estar descansado… na verdade nao estavamos descansados, com o ordenado a entrar tarde decidimos que seria a oportunidade perfeita para:
-  A empresa despedir o MP em vez de outra pessoa
- Pagar indeminizacoes (ficarmos com um saldo mais positivo para a mudanca)
- Ter a seguranca de ter documentos para o desemprego caso a coisa nao corresse bem (acho que na altura tinha-se 90 dias para dar entrada dos mesmos)

E foi isso que aconteceu. Sinceramente, e depois de termos recusado a oferta de emprego que ele teve em Novembro, nao sei quando teriamos coragem para faze-lo mesmo se esta situacao nao se tivesse proporcionado…  o certo é que sabiamos que queriamos mudar, mas nao queriamos faze-lo de animo leve, tendo em conta as responsabilidades que tinhamos e temos (casa. os carros vendemos claro, aqui a “escrava” ficou para tras a tartar de tudo).*

*nos optamos por vir separados, ele primeiro e so depois eu (assim e caso nao fosse correr como esperado, eu ainda mantinha o meu trabalho em Portugal + ele o desemprego – so me despedi quando ele ja trabalhava no UK a um mes). Ajudou tambem o facto de termos uma pessoa amiga com casa em Londres, o facto de termos onde ficar pelo menos por duas semanas ajudou a descomplicar as coisas.


Tuesday, 22 April 2014

nice

As mini-ferias da pascoa foram passadas em Nice, Franca. 3 dias é o tempo suficiente para ver as atrações principais (nota: nos nao entramos em museus).

Nice vista de Castle Hill

Promenade des anglais – alugar uma bicicleta e a melhor forma para fazer o trajecto todo
A praia nao impressiona muito, nao tem areia branca como aparenta nas fotos, mas sim pedras, desconfortáveis e dolorosas ate (Brighton is a walk in the park compared to Nice)


 Nice vista de Castle Hill – old town (onde estao todos os restaurantes, mercados, lojas, museus, igrejas)
 

 Nice vista de Castle Hill – porto


 Old Town  




 
Typical food – Socca (not my cup of tea)


Galette speciale – tipo crepe salgado (ok)


Famous ice-cream (delicioso J)


Cannes – bom para conhecer a pe e fazer compras



Antibes – porto

  

Recomendamos: 
Meyerbeer hostel - boa localizacao, pessoal simpatico
Bicycle hire (Velo Bleu) - alugar em frente ao aeroporto - menos de 30 minutos ate ao centro da cidade - sempre em frente na promenade des anglais.
Comboio de Nice para Cannes - 40 minutos, a volta dos 12euros ida e volta

Sunday, 13 April 2014

sunday morning

Acordar cedo e andar de bicicleta antes do almoço numa manha de sol pelo trilho 50.